< Voltar ao blog
9 de janeiro de 2019 às 9:25

O flúor na saúde bucal das crianças

A importância do flúor

Quando se pensa em problemas que podem afetar a saúde bucal das crianças, logo se imagina as cáries. Essa lesão de cárie se origina a partir da junção de bactérias que vivem naturalmente na cavidade bucal e restos de alimentos que formam a placa bacteriana.

Nesse processo, as bactérias produzem ácidos que removem minerais da estrutura dental. Os primeiros sintomas são manchas brancas e sua evolução provoca cavidades nos dentes.

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 53% das crianças com cinco anos já tiveram cáries. Por isso, o flúor é tão importante na saúde bucal das crianças. Sua presença na saliva colabora com a remineralização, ou seja, repõe os minerais perdidos devido aos ácidos liberados pelas bactérias (também nos casos de perdas minerais causadas pela erosão ácida), além de prevenir novos ataques.

Dessa forma, desde o aparecimento dos primeiros dentinhos, é ideal utilizar uma escova de tamanho adequado e um creme dental que possua flúor com concentração de, no mínimo, 1000 ppmF, pois concentrações menores do que essa não são eficazes na prevenção de cárie.

Uma sugestão é higienizar duas vezes ao dia até os quatro anos e três vezes após essa idade. A escovação mais importante é a feita antes de dormir, pois, além de ocorrer diminuição da produção de saliva, fluido que ajuda na proteção dos dentes, as bactérias terão muito tempo para agir.

Diferença entre os cremes dentais adultos e os infantis

Ainda que haja algumas divergências de opinião entre os profissionais da área, acredita-se que não há grandes problemas em utilizar o mesmo creme dental em adultos e crianças.  

O ideal é que o creme dental utilizado na escovação das crianças contenha de 1000 a 1100 ppm de flúor e que seja colocada na escova a quantidade de um grão de arroz até os 3 anos de idade. Acima dessa idade, ou para os que já sabem cuspir, a quantidade é similar ao tamanho de uma ervilha.

O mercado oferece opções com personagens, com sabores doces e sem efeito refrescante. Essa é uma forma de fazer as crianças criarem o gosto pela escovação e evitar que estranhem o sabor mentolado e a sensação de ardor dos cremes dentais para adultos.  

Os perigos da fluorose

Ainda que o flúor seja essencial na saúde bucal das crianças, é preciso ficar atento às quantidades.

A ingestão exagerada desse mineral pode ocasionar um problema chamado fluorose dental, caracterizada pelo aparecimento de manchas de coloração branca até tons marrons, parecidas com estrias, nos dentes. A fluorose pode acometer tanto os dentes de leite, chamados decíduos, quanto a dentição permanente da criança. Tudo dependerá da quantidade e da época em que o flúor foi consumido.

Por isso, é necessário observar e monitorar sempre a escovação do seu filho, evitando que ele coloque na escova uma quantidade maior do que o recomendado de creme dental. É importante garantir também que a criança cuspa sempre todo o excesso da espuma formada.

Além disso, é importante se informar sobre a concentração de flúor na água da sua cidade e em medicamentos ou fórmulas que seu filho tome. Lembrando que em regiões mais quentes, onde se consome mais água, o perigo pode ser ainda maior.

Dicas importantes

Visitas ao dentista

A Associação Brasileira de Odontopediatria (ABOPED) orienta que a primeira visita ao consultório do odontopediatra seja realizada assim que o primeiro dente aparecer na boca do bebê.  

No entanto, é importante saber que as orientações referentes à saúde bucal tanto da mãe quanto do bebê devem ser realizadas durante a gestação, o nascimento e todo o crescimento e desenvolvimento do bebê, para que todas as funções como respiração, sucção, deglutição, fonação, dentre outras, se estabeleçam de forma saudável. Ainda, uma importante avaliação a ser realizada é se o bebê tem a “língua presa”, pois essa condição pode dificultar a amamentação.

Essas visitas periódicas são importantes para que o profissional acompanhe o crescimento dos dentes, diagnostique e trate possíveis problemas logo no início, como as cáries e o mau posicionamento dental, e dê recomendações específicas para os pais.

A frequência com que a criança deve ir ao consultório do dentista dependerá do risco que ela apresenta para desenvolver alguma doença, o que será determinado pelo profissional.

Geralmente, dos 12 aos 36 meses o ideal é que as consultas ocorram a cada 3 meses para o acompanhamento do desenvolvimento da primeira dentição. Posteriormente, as visitas podem ser a cada seis meses para os pacientes controlados. O profissional definirá, juntamente com a família, qual o tempo adequado para cada paciente.

Supervisão dos pais

No mínimo até os seis anos, é recomendado que os pais supervisionem a escovação das crianças. Dessa forma, é possível ensinar os movimentos corretos da escovação, garantir que a criança utilizará o fio dental, higienizará a língua, utilizará a quantidade correta de creme dental e que não engolirá o produto.

Caso os pais deixem a criança realizar a escovação sozinha e ao final completem a higienização, uma nova quantidade de creme dental não deve ser utilizada.

Além disso, é indicado que os pais fiquem sempre atentos às queixas de dores nos dentes ou sensibilidade, que podem ser sintomas das cáries.

Alimentação equilibrada

A alimentação está diretamente relacionada à saúde bucal, e com os pequenos isso não é diferente.

Para diminuir a propensão às cáries, é preciso controlar a ingestão de açúcar. Os doces, como balas, pirulitos e chicletes, grudam nos dentes e são os preferidos das bactérias.

Entretanto, os pais devem saber que o próprio leite materno bem como as mamadeiras, principalmente as adoçadas com açúcar e achocolatados, podem estar associados à doença cárie. Dessa forma, quando o primeiro dentinho aparecer, é necessário realizar a higienização.

Além disso, alimentos e bebidas ácidas – como refrigerantes, sucos de laranja, iogurtes e molho de tomate – são os responsáveis por desmineralizar o esmalte dos dentes e causar a erosão ácida.  

Dessa maneira, aposte em uma dieta equilibrada para as crianças, com legumes, fibras e verduras.

Deve-se ter atenção até mesmo com as frutas consideradas saudáveis, mas que são ácidas, como laranja, morango, kiwi. Elas devem ser consumidas com moderação, pois também podem provocar perdas de minerais.

Esses cuidados trarão benefícios para a saúde bucal, corporal e para o crescimento do seu filho.

Exemplo dos responsáveis

Todos sabemos que os pais e responsáveis são o espelho das crianças. Por isso, além de utilizar o flúor na higiene dos pequenos (cuidando para que não haja ingestão) e garantir uma alimentação saudável para eles, é preciso dar bons exemplos.

Cuide da sua saúde bucal, escovando corretamente e utilizando produtos que tragam benefícios diários, como os remineralizadores.

Conheça Bianco e sorria todos os dias.

Colaboração: Dra. Cristina Resende

Graduada em Odontologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Especialista, Mestre e Doutora em Dentística pela Universidade de Campinas (UNICAMP). Professora em cursos de pós-graduação e atuante em consultório particular há 16 anos.

Voltar ao início