Odontologia

As mudanças nas rotinas dos consultórios após o período de quarentena

15 de abril de 2020 ás 20:24

Estamos vivendo um momento único em nossa sociedade.

De repente, um novo virus surge, chamado Coronavírus, nos obrigando a mudar nossas rotinas diárias de vida. Nesse cenário, a Odontologia também está sendo afetada e é fato que o atendimento odontológico não será o mesmo após essa pandemia.

Assim, é essencial que você como cirurgião-dentista esteja atento às informações, se prepare e se adapte para passar por esse momento tão crítico.

O primeiro ponto a ser destacado é que de acordo com as normativas vigentes do Conselho Federal de Odontologia (CFO) e do Ministério da Saúde, poderão ser realizados nos consultórios odontológicos procedimentos de Urgência e Emergência. Diante disso, torna-se necessário esclarecer aos profissionais da Odontologia quais procedimentos configuram essas situações.

1- EMERGÊNCIA (situações que potencializam o risco de morte ao paciente): Sangramentos não controlados; Celulite ou infecções bacterianas difusas com edema de localização intra-oral ou extra-oral e potencial risco de comprometimento da via aérea do paciente; Traumatismo envolvendo os ossos da face, com potencial comprometimento da via aérea do paciente.

2- URGÊNCIA (situações que determinam prioridade para o atendimento, mas não potencializam o risco de morte ao paciente): Pulpite; Pericoronarite ou dor relacionada a processos infecciosos envolvendo os terceiros molares retidos; Alveolite pós-operatória; Remoção de suturas; Abscessos (dentário ou periodontal) ou infecção bacteriana, resultando em dor localizada e edema; Fratura de dente resultando em dor ou causando trauma do tecido mole bucal; Tratamento odontológico necessário prévio a procedimento médico crítico; Cimentação ou fixação de coroas ou próteses fixas se a restauração provisória ou definitiva estiver solta, perdida, quebrada ou estiver causando dor e/ou inflamação gengival; Biópsia de alterações anormais dos tecidos bucais; Ajuste ou reparo de próteses removíveis; Finalização ou troca para medicação intracanal com hidróxido de cálcio e selamento eficaz com material resistente à mastigação para tratamentos endodônticos já iniciados; Cáries extensas ou restaurações com problemas que estejam causando dor; Necroses orais com dor e presença de secreção purulenta; Ajuste, troca ou remoção do arco ou dispositivo ortodôntico que estiver ulcerando a mucosa bucal; Mucosites orais com indicação de tratamento com laserterapia; Trauma dentário com avulsão ou luxação.

Ainda de acordo com o CFO, não são classificados como urgência odontológica os seguintes procedimentos: consulta inicial ou periódica ou de manutenção, profilaxias de rotina, ou procedimentos com finalidade preventiva; procedimentos ortodônticos não relacionados diretamente a dor, infecção ou trauma, restauração de dentes incluindo tratamento de lesões cariosas assintomáticas; procedimentos odontológicos com finalidade estética e cirurgias eletivas (exodontia de dentes e cirurgias periodontais assintomáticas, implantodontia e ortognática).

De acordo com as mudanças de cenários que ocorrem a cada dias, novas determinações estão sendo feitas. Portanto, fique atento as informações divulgadas pelo Ministério da Saúde e pelos conselhos federal e regionais. Assim, é possível proteger você e seus pacientes!

Fonte e mais informações: http://coronavirus.cfo.org.br

Colaboração: Dra. Livia Fávaro Zeola
Graduada pela Universidade Federal de Uberlândia.
Especialista em Dentística Restauradora – Universidade de São Paulo, USP – Ribeirão Preto.
Mestre em Odontologia – Universidade Federal de Uberlândia
Doutora em Odontologia – Universidade Federal de Uberlândia, com Estágio Sanduíche na Universidade de Washington, Seattle, Estados Unidos